quinta-feira, 10 de março de 2011

Williams e o KERS

Depois de mais uma vez apresentar problemas no seu equipamento de recuperação de energia cinética - KERS nessa quarta-feira com Pastor Maldonado, que só deu 29 voltas, a Williams conseguiu completar 105 voltas nas mãos de Barrichello nessa quinta-feira. Bom não?

Em termos. Por um lado a Williams conseguiu isso porque não usou o KERS hoje, e não deverá usá-lo novamente amanhã (pelo menos não o dia inteiro), o que é bom pois tirando isso o carro parece ser rápido e confiável, podendo recolher valiosa quilometragem para aferir e ajustar as novas peças aerodinâmicas que trouxeram para esses testes.

Por outro lado o problema principal deles dá mostras de não ter sido resolvido: superaquecimento das baterias do bendito KERS. Ontem, por exemplo, ao serem removidas do carro de Maldonado elas tiverem que ficar numa área atrás dos boxes isolada do contato das pessoas, de tão quentes que estavam (foto ao lado).

Claro que a Williams não está parada e está usando todos os seus recursos se desdobrando para conseguir vencer esse problema de noviciado (nunca tinham usado o KERS antes) que, não se engane, também se repete com o aparelho de outras marcas como Renault, Mercedes e Sauber (Magneti-Marelli-Ferrari, foto abaixo), que apesar de ja terem a experiência de temporada de 2009 também tem deixado seus dirigentes um pouco preocupados com a fragilidade dos equipamentos, ainda que as razões para isso possam não ser as mesmas nem tão intensas como as da Williams.

O resultado é que nos bastidores já começa a se falar na possibilidade da equipe de Grove começar o campeonato sem utilizar o aparato, mesmo isso podendo significar uma largada menos eficiente e não poder contar com os 6,67 segundos de "boost" por volta que certamente auxiliariam um pouco nas ultrapassagens (ou na defender-se delas) e classificação.

Perguntado sobre a possibilidade de alinhar na Austrália sem o KERS, Barrichello declarou hoje: "Eu espero que não, mas acho que todos vão ter que passar por essa pergunta".  Vejamos como as coisas se saem nos 2 dias restantes de testes e aguardemos.

4 comentários:

Charles disse...

Você está desanimando o fãs de Barrichello rs rs rs, o Kers dá um impulso de 6,67s? a Williams não terá isso? será que mais um ano difícil ?? Não é possível, estava tudo indo bem...

Flávia Tricolor disse...

Show de bola!!!o ano passado não foi tão difícil quanto imaginava!!este ano estou com mais esperanças!

José Inácio Pilar disse...

Charles, o impulso do KERS dura até 6,67 segundos, nao é que ele resulte em um ganho de 6,67 segundos. Deve dar menos de 0,3/0,5 dependendo da pista.

Charles disse...

Eu entendi o impulso, mas até achei que pudesse chegar a mais de meio segundo. Acredito que seja uma arma só em momento de ultrapassagem, pois pelo tamanho das baterias, ta parecendo aquela piada do celular minúsculo... rsrs rs