domingo, 27 de março de 2011

GP da Austrália - Balanço Final


Asa traseira móvel, KERS, pneus com desgaste elevado, nenhuma dessas novidades serviram para realmente incendiar a Formula 1. Isso é bom e ruim. Ruim porque todos querem ver ultrapassagens, disputas acirradas e divididas heróicas nas pistas, bom porque o melhor carro ainda consegue andar na frente sem ser subjugado por artificialismos, com raras exceções (Button, "o encaixotado irresoluto", que o diga).

A prova foi interessante, revelou que a Red Bull, especialmente nas mãos de um mais confiante campeão Sebastian Vettel realmente tem tudo para despontar na ponta do campeonato, já que seu companheiro Webber teve um fim de semana figurativo, discreto e quase triste. Vettel fez uma corrida irrepreensível, sem erros, ainda que não tenha tido desafios. Em segundo lugar serviu para mostrar uma fotografia mais realista do jogo de forças das equipes do pelotão do meio: Renault, Ferrari, Mercedes, Williams e talvez Sauber parecem ter carro para disputar entre si as posições da corrida, ainda que na classificação a distribuição de forças penda mais a favor das duas primeiras.
O tropeço de Barrichello na classificação e depois a confusão com os diferentes pontos de frenagem com Rosberg na prova, que resultaram nele abalroando o alemão, camuflaram o real potencial do FW33, mas sair de 22º e chegar a disputar a 8ª posição é um claro indicativo de que pode ter um começo de campeonato bom, se conseguir terminar as provas sem problemas de KERS e câmbio nem não cometer mais erros, algo raro em sua longeva carreira, diga-se. "Terão um ano inteiro bom?" perguntarão alguns. Depende: com menos dinheiro em caixa que suas rivais grandes as chances dela evoluir na mesma intensidade são menores e podem ficar pra trás, então a ordem é aproveitar enquanto o vento sopra a favor, pois amanhã ninguém garante com certeza.

A Sauber também se mostrou forte, e nela Sérgio Perez exibiu grande segurança ao fazer apenas um pit-stop, mesmo sendo seu primeiro GP. As Force Índia deram sorte com a desclassificação das Sauber (o nível de curvatura da parte superior da asas traseiras dos carros suíços é menor do que o limite permitido pelas regras) e pontuaram. A Lotus que terminou (Trulli) se distanciou bastante qualitativamente das Virgin, mas ainda tem que remar bastante para alcançar as equipes do pelotão intermediário. Virgin lá atrás, 2 e 3 voltas atrás das Lotus, mas certamente bem a frente das risíveis Hispânias, tivessem elas participado da contenda.

Heidfeld. um pilotos eclipsado por seu companheiro, terminou num apagadíssimo 15º lugar (12º, depois das desclassificações) não teve muita culpa. Seu carro recebeu uma bordoada na largada e passou o resto da prova se arrastando com os cacos que tinha. Se a panca que recebeu foi por barbeiragem sua ou não, não sabemos.

As Mercedes tiveram uma corrida bem ruininha enquanto estiveram na pista, com Schumacher abandonado e Rosberg idem. Mas enquanto correram não se mostraram os foguetes que alguns anteviam. As Toro Rosso foram bem para o que podiam, mas menos exuberantes do que prometiam: Buemi pontuou e Alguersuari, mais discreto, ficou atrás dos carros indianos.

A Ferrari não se mostrou tão forte como se fazia crer e a McLaren se mostrou mais fortes do que se fazia prever. Hamilton foi bem, mesmo com assoalho pendurado no final manteve o honroso segundo lugar e Button depois de ficar preso atrás de Massa e ser punido por passá-lo cortando uma curva, conseguiu chegar num mediano sexto lugar.

Alonso foi bem na equipe italiana, no final chegou a tirar diferença para Petrov, o 3º (imagina se fosse Kubica...) e marcou pontos, mas seu desempenho acendeu uma luz amarela em Maranello: Se a equipe era tida como a que mais se aproximava das Red Bull, ficou devendo. Felipe Massa... Esse então ficou devendo mais ainda. Depois de uma largada forte, onde segurou Button por várias votas, perdeu o pique e se apequenou, ficando até atrás das duas Sauber. Terá sido uma estratégia inferior à de Alonso ou perdido o tesão ao longo da prova? Estranho mesmo. De qualquer maneira precisa melhorar logo para não ser limado da Ferrari no fim do ano (se o campeão Kimi foi, porque ele não seria?), mas ainda é muito cedo para vaticinar seu futuro, temos que esperar mais corridas e acreditar que o Massa de 2008 acorde e volte a lutar.

Agora resta aguardar a Malásia com suas temperaturas muito mais elevadas, onde os pneus devem ter um comportamento bem distinto (e as chances de quebras por superaquecimento de KERS idem) e podem reembaralhar as coisas, especialmente com brasileiros, que merecem e precisam de um recomeço de campeonato mais glorioso.

A ver.

Clique nas imagens para ampliá-las

Esses são os resultados corrigidos após as desclassificações de Perez e Kobayashi:

1°. Sebastian Vettel (ALE/Red Bull-Renault), 1h29min30s259
2°. Lewis Hamilton (ING/McLaren-Mercedes), a 22s2
3°.
Vitaly Petrov (RUS/Renault), a 30s5
4°. Fernando Alonso (ESP/Ferrari), a 31s7
5°.
Mark Webber (AUS/Red Bull-Renault), a 38s1
6°. Jenson Button (ING/McLaren-Mercedes), a 54s3
7°.
Felipe Massa (BRA/Ferrari), a 1min25s1
8°. Sébastien Buemi (SUI/Toro Rosso-Ferrari), a 1 volta
9°. Adrian Sutil (ALE/Force India-Mercedes), a 1 volta
10°. Paul di Resta (ESC/Force India-Mercedes), a 1 volta
11°. Jaime Alguersuari (ESP/Toro Rosso-Ferrari), a 1 volta
12°. Nick Heidfeld (ALE/Renault), a 1 volta
13°. Jarno TrulliITA/Lotus-Renault), a 2 voltas
14°. Jérome D'Ambrosio (BEL/Virgin-Cosworth), a 4 voltas
15°. Timo Glock (ALE/Virgin-Cosworth), a 5 voltas
16°. Sergio Pérez (MEX/Sauber-Ferrari), Desclassificado
17°. Kamui Kobayashi (JAP/Sauber-Ferrari), Desclassificado
18°. Rubens Barrichello (BRA/Williams-Cosworth), Abandonou
19°. Nico Rosberg (ALE/Mercedes), Abandonou
20°.
Heikki Kovalainen (FIN/Lotus-Renault), Abandonou
21°. Michael Schumacher (ALE/Mercedes), Abandonou
22°.
Pastor Maldonado (VEN/Williams-Cosworth), Abandonou

7 comentários:

Amaral disse...

Belo resumão Inácio.

Na minha opinião, Rubinho já gastou sua cota de erros.

Daqui para frente, veremos o Barrichello que conhecemos.
Só precisamos ficar na torcida para a Wllliams colaborar com o tal de KERS e o cambiozinho que inventaram.

Abraços
Amaral (@pacerun)

Alessandro T. do Nascimento disse...

Parabéns pelo seu site Inácio, acompanho todos os dias.

Eu também acredito que o Rubinho cometeu vários erros que normalmente ele não comete.
Espero que ele tenha mais sorte nas próximas corridas, pois talento eu sei que ele tem, e o carro também parece ser bem construido, pois andou muito bem até ocorrer a quebra do cambio.

Valeu Abração.

Anônimo disse...

Inácio, gostei da corrida. Achei bem movimentada, com diversas ultrapassagens e polêmicas. Os carros pereciam estar mais juntos mesmo sem a entrada do safety car. Impressiona-me a vontade do Barrichello. Apesar do erro, ele mostrou bom desempenho durante a corrida e fez diversas ultrapassagens. Achei q o rendimento da Williams com pneus macios muito bom; com os duros, não consegui analisar bem, mas me parece q o desempenho caiu muito. Quanto ao Massa, a palavra é decepção. O q está havendo com ele? Nunca o achei um excelente piloto mas, não era tão ruim assim! Alexandre de Vasconcelos, Recife/PE.

gustavo disse...

muito bom... parabéns!

Anônimo disse...

Inácio, parece-me q o problema das Williams não foi no KERS mas sim no cambio. Vamos torcer q a equipe resolva quanto antes esse problema e q faça as evoluções necessárias. Quando será a próxima atualização aerodinâmica da Williams, você tem informações? Alexandre de Vasconcelos. Follow me on Twitter @aasvasconcelos .

José Inácio Pilar disse...

Alexandre Vasconcelos:

Sim, foram só no câmbio mesmo, mas mencionei o KERS porque nos testes de inverno ele apresentou alguns problemas de superaquecimento e como o próximo GP (Malásia) será um dos mais quentes no calendário, é bom eles redobrarem o cuidado.

@capixaba78 disse...

Valeu pelo post!!:)
Concordo com a parte de Rubinho/Willians torço por ele, mas acho que a Ferrari estava bem... Alonso vacilou na largada e Massa eh o que eh ... Já nem fico puto da vida com ele mais, já perdi a esperança...
Abraço