quarta-feira, 16 de abril de 2014

Niki Lauda acelera um Fórmula 1 moderno

Em 2001 o tricampeão Niki Lauda disse em tom crítico de deboche que "até macacos poderiam pilotar os Fórmula 1" com tamanha ajuda eletrônica disponível (naqueles tempos os carros tinham controle de tração, controle de largada, distribuição eletrônica de freios, além do câmbio semi-automático, direção hidráulica etc).

Em 2002, ainda à frente da equipe Jaguar, o veterano austríaco teve a oportunidade de pilotar um desses carros que criticou, e o resultado foi uma vergonha...

Foram 2 rodadas em 3 voltas, 15 segundos de diferença para os tempos de seus pilotos titulares e o comentário em tom de mea culpa e brincadeira: "Meus engenheiros disseram que chegava nas curvas na mesma velocidade de Pedro (de La Rosa, piloto titular da equipe na época), a diferença é que eu não contornava as curvas!"

Curta a página do BLOG no FACEBOOK clicando AQUI e siga-me no Twitter: @inacioF1

5 comentários:

Anônimo disse...

Depois ele se redimiu e admitiu como era trabalhoso pilotar esses carros atuais (tanto quanto antigamente)

RenatoS. disse...

Grande Niki, pecou por menosprezo. Sua era foi difícil, mas, em compensação, tudo era mais simples; a começar pelo volante.

Contudo, nada apaga os seus feitos na pista.

Continuo fã.

Beto Rubiatti disse...

Ri muito nessa época!
Desnecessário... Simplesmente desnecessário.

Matheus Brum Siqueira disse...

Enquanto Lauda com 51 anos nesta época fez uma diferença de 15seg em relação ao tempo dos pilotos titulares, Fittipaldi com 66 anos em 2013 tirou uma diferença de "apenas" 8seg. Em relação ao falastrão Niki, nada mal... Chupa Lauda!!! hahaha

Anônimo disse...

Faltou coerência na avaliação de Lauda em 2002, vendo por fora é fácil criticar qualquer geração de carros a frente, mas temos que lembrar que, quanto mais tecnologia tem um carro de competição, mais veloz ele fica(principalmente nas entradas e saídas de curvas). Lauda esqueceu de um detalhe, quanto mais rápido for o bólido, mais habilidade vai ter que ter o piloto. Antigamente Lauda pisava no freio 100 metros antes da curva(com as rodas em linha reta), hoje os pilotos freiam a 50 metros com o volante virado pra curva.

Uma coisa é Lauda dar algumas voltas com esse Jaguar, outra completamente diferente é querer "virar" tempos semelhantes aos pilotos titulares Eddie Irvine e Pedro de la Rosa, os caras estavam "afiados" pilotando em alto nível. Quando tinha sido a última vez de Lauda em um F-1, na Mclaren em 1985? Piada querer dar Show em cima dos pilotos titulares.

Fittipaldi sempre foi COERENTE, observem que ele NUNCA critica a Formula Um, independente qual seja a geração. Quando pilotou a Lotus recentemente ele foi bem claro:

"Não quero saber de acerto fino, não vou correr em nenhum GP, quero apenas SENTIR o carro".

Emerson já tinha feito o mesmo na Ferrari de Schumacher anos atrás. Evidente que ele nunca iria "virar" tempos semelhantes do alemão ferrarista, de Grosjean ou Raikkonen na Lotus.

Não existe Formula Um fácil, estamos falando de uma CAMPEONATO MUNDIAL, a coisa é mais embaixo! A diferença é que as dificuldades são diferentes em cada época. Piquet adora disparar farpas contra carros dos anos 2000, mas John Surtees também pode questionar campeões dos anos 70 e 80:

“Nos anos 60 não existia 'vida – fácil' de câmbio sequencial, a troca de marcha era feito em “H”. Não existia pneus especiais(slick – biscoito), os F-1 não tinham aerofólio pra 'grudar' o carro ao chão, muito menos suspensão ativa(na chuva o carro nos anos 80 nem balançava). Um bólido nos anos 60 era feito de parte mecânica, elétrica e hidráulica...NADA DE ELETRÔNICA, NADA DE INFORMÁTICA! Na pista(seca ou molhada), tudo tinha que ser feito no braço! Não existia rádio, a decisão do que fazer durante uma prova era tarefa exclusiva do piloto. A partir de 1984(era moderna da F-1) já existia a telemetria, isso facilitou muito a vida dos pilotos na hora de acertar o carro. Muitos dados eram analisados pelos computadores, piloto mudava o acerto através desses dados, e não testando peças por voltas e voltas”

Não adianta criticar a categoria, temos que aceitar e respeitar como ela é, os pilotos são os menos culpados, cada um foi grande em sua época! Lauda soube disso passando baita vexame, mas soube fazer piada com o próprio fiasco: "chegava nas curvas na mesma velocidade que De La Rosa, a diferença é que eu não contornava as curvas!"

Oras, mas em reta qualquer motorista habilidoso(e meio louco) chega nos 300 Km/h, duro é contornar as curvas de forma rápida...

Marcelo