terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

O trunfo dos motores Renault

Segundo Jean François Caubet, Diretor da divisão de Motores da Renault (Renault F1) revelou ao jornal AS, menos é mais e no fim das contas os motores de sua fábrica teriam algumas importantes vantagens em relação aos seus rivais alemães, italianos no grid. Sobre os ingleses (da Cosworth) nem se fala.

"O motor Mercedes é cerca de 15 cavalos mais potente que o nosso, assim como o Ferrari oferece mais potência, mas em facilidade de condução (dirigibilidade) e economia de combustível o motor Renault está na frente, assim alcançamos os objetivos melhor que o Mercedes, precisamos de menos gasolina." esclarece Caubet, com surpreendente clareza sobre dados normalmente mantidos em sigilos, e ainda complementa: "A Red Bull, por exemplo, pode começar uma corrida com cerca de 15 a 18 litros a menos de combustível a menos no tanque do que a concorrência e isso estabelece a diferença." O que faz sentido, pois se o carro já nasce concebido com esses dados, seu tanque pode ser projetado menor e como o motor em sí também é um pouco menor que os rivais (segundo se comenta nos bastidores), os benefícios aerodinâmicos de um carro mais compacto também se fariam presentes.

Curta a página do BLOG no FACEBOOK clicando AQUI e siga-me no Twitter: @inacioF1

Vejamos isso na ponta do lápis: cada 10 litros a menos de combustível significa cerca de 0,3 a 0,4 segundos a menos nos tempos de volta dependendo da pista. Com 15 a 18 litros a menos, os carro equipados com os motores franceses largam numa corrida com uma diferença nada desprezível de cerca de 7 décimos de segundo por volta em relação ao peso de seus rivais mais potentes e volumosos o que segundo faz crer Caubet, acabaria compensando os 15 cavalos a menos.

E você, o que prefere, um pouco mais de potência ou um pouco menos de peso?

10 comentários:

Alexey Karpov disse...

Prefiro a eficiência, pois como diz a própria Pirelli, "Potência não é nada sem controle".

Anderson disse...

No caso da F1, tbm prefereria a eficiência, já que as ultrapassagens não são tão fáceis, mesmo com maior potência disponível.

rafaelhenrique disse...

a mistura do combustivel tambem pode definir potencia/consumo.
a analise nao pode se prender somente ao consumo medio do motor.

de qualquer maneira, a prova de que a opção pelo motor renault é a mais inteligente são os resultados da RBR na ultima temporada.

José Inácio Pilar disse...

Rafael,

Caubet compara os consumos dos diferentes motores nas mesmas condições de uso/mistura de combustível.

Nick Mason disse...

Zé, aproveitando a matéria do motor Renault, tem esse vídeo do motor sendo testado na fábrica. Muito bacana. http://youtu.be/nZLv1laGguo

Reideer disse...

Será que o peso inferior é realmente aproveitado deixando o carro mais leve? ou será que a menor variação de peso durante a prova é a principal vantagem?

José Inácio Pilar disse...

Lembre-se que ao longo da prova até o final dela o peso acaba se nivelando, pois no final todos vão terminar com o mínimo exigido por regulamento.

Assim quem consome mais (motor mais beberrão) larga com mais peso que será mais rapidamente perdido com o maior consumo, de modo que a vantagem de peso é mais sentida no inicio da corrida.

Murillo disse...

Interessante! e isso eh claro qndo vemos a incrivel diferenca nas retas para a Red Bull e outros equipados com Mercedes, a RB eh sempre muito mais lenta.
O q ajuda tbm a explicar o fato de Vettel sempre abrir.MUITO nas primeiras voltas e depois nivelar(com Hamilton, pelo menos)

Murillo disse...

Interessante! e isso eh claro qndo vemos a incrivel diferenca nas retas para a Red Bull e outros equipados com Mercedes, a RB eh sempre muito mais lenta.
O q ajuda tbm a explicar o fato de Vettel sempre abrir.MUITO nas primeiras voltas e depois nivelar(com Hamilton, pelo menos)

Malco Prando disse...

Muito mais interessante o Motor Renault... Eficiência é tudo!