quinta-feira, 1 de maio de 2014

O acidente de Senna - ao vivo na Globo

Senna bate após, ao que tudo indica, a barra de direção do seu carro se romper
Lembro muito vivamente de acompanhar pela TV Globo essas imagens, já reprisadas à exaustão nos programas de TV e internet ao longo dos anos.  Era o dia seguinte ao meu aniversário de 14 anos, e o acidente de Barrichello e de Ratzenberger nos dias anteriores estavam a assombrar a todos que acompanhavam a categoria com mais interesse. O motivo do acidente já é conhecido: a barra de direção de sua Williams se rompeu quando terminava de contornar a perigosa curva Tamburello, uma curva sem área de escape nem proteção contra impactos no muro.

Senna, desacordado, aguarda o socorro, que demora a chegar.
Mas outra coisa que lembrava muito bem era essa narração de Galvão Bueno, que ficou amalgamada em minha memória auditiva durante esses 20 anos, como a súbita elevação no tom de tom ano terminar a frase "...os carros atingem 300 quilômetros por hora" no momento do impacto, o inconformismo com a demora da chegada do socorro, a leve mexida de cabeça do piloto... Até existem fotos mais fortes e gráficas do atendimento após acidente por aí, mas não acho que trazê-las aqui some para alguma coisa.

Curta a página do BLOG no FACEBOOK clicando AQUI e siga-me no Twitter: @inacioF1
Dr. Sid Watkins chefia os primeiro trabalhos de atendimento médico.
Galvão, amigo de Ayrton Senna, se emocionou muito com o acidente e o subsequente atendimento médico, de forma que Reginaldo Leme meio que teve que assumir o papel de falar mais com o público pelo resto da transmissão da corrida enquanto o narrador tomava fôlego e ao mesmo tempo buscava saber mais informações sobre o estado do piloto.

Em seu livro de memórias, Dr. Sid Watkins contou mais sobre o momento do atendimento ao amigo brasileiro ainda na pista: "Ele parecia sereno. Eu levantei suas pálpebras e estava claro pelas suas pupilas dilatadas que ele havia sofrido um grande trauma cerebral. Nós levantamos ele do cockpit e o deitamos no chão. Quando o fizemos, ele suspirou, e embora eu não seja religioso, eu senti seu espírito partir naquele momento."

Aos que ainda se perguntam se naquela manhã de domingo ele "sentia que iria morrer", me parece bastante claro que não, haja vista que ele levava uma bandeira da Áustria no cockpit do seu carro para homenagear o falecido Roland Ratzenberger, num claro sinal que ele pretendia vencer - e portanto terminar a prova são e salvo.



Assim como nesse post de Ratzenberger de ontem, as imagens ainda são fortes. Esse fim de semana negro, junto com o grave acidente de Karl Wendlinger da Sauber na etapa seguinte (Mônaco) catalizaram uma série de mudanças fundamentais para a dramática elevação dos padrões de segurança da Fórmula 1, que desde então não teve mais mortes em suas corridas. Alem disso, ainda em vida, Ayrton Senna criou o Instituto Ayrton Senna e que acabaria por perpetuar e multiplicar seu legado de grandeza para milhões de crianças carentes que foram atendidas nas últimas décadas,

Curta a página do BLOG no FACEBOOK clicando AQUI e siga-me no Twitter: @inacioF1



6 comentários:

Carlos disse...

A Sportv está neste momento reprisando algumas corridas de Ayrton , sempre ouvi falar desta corrida de Imola porém e a primeira vez que vejo , pois era um bebe na época!!! Obrigado Inácio !
Alias é impressão minha ou aquele liquido vermelho no tempo de 15 minutos 24 segundos ao chão e sangue.? e gostaria de saber se realmente procede a informação que Senna morreu na pista ? Realmente muito triste,deveria ter cancelado esta prova!!!

Olegardo Lara Gu The Untouchable disse...

Sim. Infelizmente era sangue. No começo achava q ele apenas desmaiou devido a colisão. Mas quando vi o sangue e q foi levado para o helicóptero fiquei atônito sem acreditar se era real. Lembro bem. Tinha 12 anos. Eu não acreditava. Cai em si no dia seguinte apos a escola. Foi ossi.

Gvilleneuve disse...

Carlos, particularmente eu sempre acreditei que o Ayrton morreu na pista, tal qual o Ratzenberger. Porém ao assumir que algum dos dois pilotos morreram por lá, a corrida precisaria ser cancelada.
Semana passada a Betise Assumpção, assessora de imprensa do Ayrton na época (e que hoje é esposa do Patrick Head, ou seja, fonte confiável) deu uma entrevista dizendo que logo após o acidente, o Bernie informou ela e o Leonardo Senna de que o Ayrton já estava morto, mas que só anunciaria a morte após a corrida. O Leonardo, inclusive, chegou a avisar a família da morte do Ayrton.
Mas a assessoria de imprensa da FIA insistiu e insiste até hoje que ele morreu no hospital, para que a corrida não corra o risco de ser cancelada.

Carlos disse...

Obrigado Senhores Olegardo e Gvilleneuve pelas respostas!
Realmente a F1 mostrou seu lado negro com esse tipo de atitude por parte dos cartolas... ao rever as corridas do Senna realmente parece que os tempo eram outros, a F1 atual está muito burocrática, porém , mais segura. Comecei a me interessar pela F1 em 2008...e depois fiquei "febroso em 2009" ao ver o ressurgimento de Barrichelo em uma equipe competitiva. Apesar do mesmo ser muito criticado tive muito simpatia por ele... me lembro de sua pole em 2009 (Eu estava lá, foi uma coisa fantástica de presenciar!)

Gvilleneuve disse...

Eu me lembro bem do Ayrton em Donington '93 (talvez a memória mais antiga que eu tenha da F1), lembro de Adelaide também em 93... Mas nada nesses meus anos de F1 me emociona mais do que o Grande Prêmio da Alemanha de 2000. Me orgulho pra caramba de ter visto e torcido pela primeira vitória do Rubens.
Como você, Carlos, também tenho muita simpatia por ele, mesmo não concordando com algumas atitudes que ele tomou durante a carreira. Podem criticar mas, pra mim, o Barrichello foi um dos pilotos mais incríveis que já vi correr.

Arthur Almeida disse...

O dr. Sid Watkins nunca comentou sobre o acidente do Ratzenberger, ja do Senna no próprio documentário ele diz, que pelos sinais a lesão a cabeça era letal, mas ele tinha pulso. Então fizeram a traqueostomia para ele voltar a respirar (por isso a poça de sangue no chão) e ele foi encaminhado ao Magiore.
O que eu não sabia foi que o Berger chegou a entrar pra ver o Ayrton após a morte cerebral ser diagnosticada pq o seu coração ainda batia (informação dada pelo Galvão no Linha de chegada especial da Sportv)