segunda-feira, 21 de novembro de 2011

3 pilotos, 124 anos

Ao final de 2012 poderemos ter 3 pilotos com mais de 40 anos de idade: Michael Schumacher, com 43, Pedro de la Rosa, 41, e Rubens Barrichello com 40. Os três estão em situações bem diferentes em suas carreiras.

Schumacher, que já não é mais aquele, tem contrato de 3 anos com a Mercedes e por isso está garantido até o fim do ano que vem, embora já se discuta que fique mais 1 ano. Barrichello mantém sua velocidade e entusiasmo e se vê hoje negociando com equipes que podem marcar pontos como Renault (futura Lotus) e Williams, onde tem como principais rivais os vários pilotos com dinheiro, algo que espera compensar com sua maior experiência, a maior da história da Formula 1. Pedro de la Rosa já era considerado carta fora do baralho e agora volta pela combalida HRT (Hispânia) que sofre uma reestruturação para o ano que vem, quando deve tornar-se mais espanhola do que nunca, mas provavelmente ainda com o pior carro.

O que se depreende desse quadro? Que a experiência em dias que a F1 não tem mais testes liberados durante o ano tem ajudado pilotos com mais estrada na categoria, pois as equipes sabem que eles podem dar uma visão mais precisa da realidade do carro na pista e ainda tem a segurança de que dificilmente ele cometerá algum erro bobo na pista que destrua seus valiosos carros.

Mas só isso não faz milagres, eles tem que ser rápidos. Em 2010 o mesmo de la Rosa foi dispensado no meio do ano por Nick Heidfeld, pois estava sempre atrás de Kobayashi. Em 2011 o mesmo Heidfeld ficou sem emprego na Sauber e acabou assumindo o lugar do acidentado Kubica na Renault, mas mesmo assim sua falta de espírito de liderança e resultados modestos (e falta de patrocinadores, também é verdade) na pista causou sua demissão no meio do ano. O próprio Schumacher vem apanhando de Rosberg desde que voltou à F1 e somente agora esboça uma reação. Só Barrichello continua fazendo seu papel principal, embora comenta-se que setores (notadamente Adam Parr) da Williams não o valorizam tanto como acontecia em 2010, explicando em parte a draga em que a equipe que está.

Vamos ver se em 2012 todos esses veteranos darão canseira nos outros pilotos, alguns com idade para ser filhos deles. Gosto de ver a "velha guarda" mostrando que ainda tem pique de encarar a molecada, que aliás, trava uma verdadeira briga de foices para entrar na Formula 1.

3 comentários:

Emilius disse...

Sou pela manutenção da pequena velha guarda que resta na F1.

Torcendo por uma boa corrida do Barrichello no Brasil, e que chegue aos pontos.

Alan Castro disse...

Estou achando Rubens muito otimista, está semana Eric Boullier disse que um piloto de nome e experiente é o objetivo da Renault até 2013, tanto para desenvolver o carro como para obter resultados.

Antes ele tinha dito a repórter da Globo, que não poderia dizer nem que sim, nem que não, sobre Rubens na Lotus 2012.

Temos ainda Raikkonen falando que em carro de M… não quer voltar, isso foi uma indireta clara a Williams, o que pode ser resultado de fim de negociações.

Estou vendo um Rubens disputado por duas equipes agora?

Vagner Hundertmarck disse...

Isto para mim é apenas uma jogada de marketing em uma equipe comandada por investidores que querem num futuro proximo vende-la para retornar seu investimento , com certeza com a experiencia de De La Rosa ( Anos de Mclarem ) dará um salto de qualidade caso tenha $$$ para construir um carro + competitivo , sabe-se que tanto a HRT quanto a MVR estão se associando em parcerias tecnologicas com as grandes , posso até acreditar que venham a servir de carro de testes para as equipes grandes testarem novos dispositivos para posteriormente usa-los em seus carros , hj em dia sem testes vc poder testar novos componentes em outras equipes menores seria uma saída para driblar o regulamento , acredito que STR serve para isso para a RBR , e até por isso que a Ferrari quer tanto um 3º carro , este que seria usado nas corridas apenas para servir de testes , enquanto os outros 2 disputariam o campeonato . Penso ser assim .