quinta-feira, 1 de julho de 2010

Análise de meio do ano: Renault

Depois de quase fechar as portas no ano passado e ter 75% de suas ações compradas por um fundo de investimentos de Luxemburgo chamado Genii, a Renault teve uma temporada de testes de inverno tímida, com resultados discretos e todos apostaram que seria uma grande decepção do ano e que Robert Kubica teria se ferrado em ir pra lá. Mais indícios disso vieram quando a imprensa deu grande destaque ao fato de Vitaly Petrov só ter ganhado a outra vaga por levar um caminhão de dinheiro, indicando que a saúde financeira da equipe não era tão forte como se esperava a ponto de depender de um piloto pagante.

Começa o campeonato e com o passar das corridas Robert Kubica mostra que o carro da equipe francesa é capaz sim de alcançar bons resultados, sempre se intrometendo no território que Red Bull, Mclaren, Ferrari e Mercedes deveriam reinar sozinhas. Isso se deve as constantes evoluções do carro da Renault, que apresenta novidades em absolutamente todas as etapas. Além disso, a capacidade de liderança do piloto polonês tem sido muito elogiada pela equipe, que diz te-lo como líder dessa virada da equipe, por ser muito dedicado, motivado e detalhista. O resultado é que está sempre pontuando e atualmente está na frente de Felipe Massa,dos dois pilotos da Mercedes e encostado em Fernando Alonso na tabela do campeonato.

Vitaly Petrov, se não mostra o mesmo brilho de seu companheiro, mostra que é um bom piloto e que, para um novato, tem cometido poucos erros, marcou seus primeiros pontinhos (discretos 6 até agora). É um grande piloto? Ainda não da pra saber, mas deverá, aos poucos, ganhar mais confiança e se tornar mais regular, e quem sabe, assegurar vaga para 2011, isso se o dito novo patrocinador da equipe (Mastercard) não conseguir levar Kimi pra lá.

Um comentário:

Lucas Lemos disse...

A Renault para mim esse ano seria enterrada...E não foi! Me surpreendo com a evolução constante da equipe, e claro, desse polonês magnifíco que pilota o R30.